sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Homem corajoso!

Eu passava apressado pela rua, depois de um longo dia naquele escritório infernal, para ir ver o jogo de futebol do Juninho, quando vi um casal discutindo e me chamou a atenção aquela mulher grande que berrava milhares de impropérios para aquele pobre homem, que ouvia calado, ou talvez, nem estivesse ouvindo. Me lembrei então, da minha mulher, com a qual eu não andava tendo boas relações, e, na realidade, nunca tivera. Casei porque engravidei aquela vagabunda e desconfio até hoje que o Juninho seja meu filho. Nosso casamento estava por um fio e eu rezava para que acabasse logo, antes que ela acabasse com a minha vida. E enquanto pensava nisso, ouvi um tiro. Voltei correndo para ver o que tinha acontecido e quando cheguei lá, vi uma mulher estirada no chão com duas balas metidas na cabeça. Aquele homem tinha feito o que eu nunca teria coragem de fazer, matar a mulher que o infernizava. Tentei procurá-lo para dar os parabéns, mas ele já estava longe e, de certo, feliz.

5 comentários:

Vinnicius Silva disse...

Nossa, que texto forte!
Bem profundo...


Bem legal!
=)

bjo

Jú M. disse...

Ah coragem!!

eu preciso.

Lindo gabi.

;*

Tyler Bazz disse...

bom!!!! gostei...

Márcio Alexandre disse...

...matar, morrer, a grande verdade é que existe sempre a melhor opção que é viver, deixar viver e ser feliz. Casou(?), deu errado...desca-se, fez errado(?), conserte, se não com quem fazia par, mas com outro(a), o importante é viver, sem mortes reais ou de alma.

http://dijanira.blogspot.com/

Márcia do Valle disse...

Polêmico esse texto, hein?
Só agora eu vi um comentário super antigo que você deixou no meu blog, dizendo que tinha me indicado para um prêmio... Pois é, andei meio sumida da blogosfera, mas agora estou voltando. Ah, e obrigada pela indicação! Bjs